SINDMETAL convoca trabalhadores para Assembleia Geral em defesa da CCT2024

Trabalhadores das empresas Memps, Kalli, Elétrica Visão, São Marcos Manutenção Industrial, Aço Metal e Emani estão estão convoados para Assembleia Geral

O Sindicato dos Metalúrgicos – SINDMETAL/MA, convoca os trabalhadores que atuam nas empresas Memps, Kalli, Elétrica Visão, São Marcos Manutenção Industrial, Aço metal, Emani, para participarem de Assembleia Geral Extraordinária, no próximo dia 14 de maio, nos horários das 7h, 12h, 15h e 18h.

A assembleia vai discutir e avaliar o impasse da negociação salarial ocasionado pelas empresas descritas acima, e deliberar sobre a adoção de Estado de Greve e indicação de paralisação por tempo indeterminado a partir das zero horas do dia 20 de maio.

O sindicato avalia que as negociações salariais e o fechamento da Convenção Coletiva de Trabalho – CCT 2024 da Indústria Metalúrgica, têm sido emperradas apenas por empresas que nomearam uma procuradora, na mesa de negociação, que historicamente se posiciona contra os direitos dos trabalhadores, ocasionado prejuízo aos trabalhadores que possuem Data-Base em 1º de Março.

Segundo o presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, o sindicato não aceita retroceder ou abrir mão de qualquer direito conquistado na convenção passada, e lamenta, o fato de apenas seis empresas estarem prejudicando o fechamento da CCT 2024. “A procuradora nomeada por estas empresas é Persona Non Grata (equivale a dizer que aquela pessoa não é bem-vinda em determinado grupo social) para os trabalhadores metalúrgicos, desse modo, só retornaremos à mesa quando o Sindicato Patronal for propositivo com propostas que valorizem os trabalhadores”, frisou o sindicalista.

A vergonhosa proposta apresentada na última rodada de negociação, traz o percentual de 5% para quem ganha o piso salarial, e 4% para que recebe acima do piso. Além disso, quer que os trabalhadores nas empresas até 300 empregados, recebam apenas R$ 200,00 de ticket-alimentação, pagos em maio e julho desse ano; e para os metalúrgicos nas empresas com mais de 300 empregados, apenas quatro parcelas de R$ 500,00.

Para piorar, querem deixar os trabalhadores das empresas até 150 empregados SEM ABONO salarial. De 151 a 300 empregados, um abono magro de R$ 200,00; e nas empresas acima de 300 empregados, um abono de R$ 400,00.

O SINDMETAL não aceita rebaixamento de direitos e garantias sociais, por isso, conclama a categoria a se manter mobilizada e participar das assembleias que decidirão sobre os próximos passos da luta trabalhista e sindical.

Imprensa Sindmetal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *