SINDMETAL segue negociando com a ALUMAR em busca de ganho real para os trabalhadores

No último dia 4 de abril, o SINDMETAL e ALUMAR realizaram a terceira rodada de negociação em torno do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2024. O SINDMETAL segue negociando em defesa dos trabalhadores, e buscando um acordo que contemple as necessidades da categoria.

A multinacional apresentou uma proposta de 3,9% para os trabalhadores, “podendo chegar a 4% para os empregados que recebem até R$ 9 mil”, dado que superaria em 0,14% o índice de inflação do período. O sindicato propõe 7,5% para o piso da categoria, e 4% apenas para quem recebe acima do piso, até o limite de R$ 9 mil.

Para o ticket alimentação a empresa propôs pagar o valor total de R$ 1.792,00 em duas parcelas de R$ 896,00 (junho e setembro), um reajuste de apenas R$ 192,00 em relação ao ano de 2023! A contraproposta do sindicato é R$ 2 mil aos trabalhadores sindicalizados até o dia 10 de abril de 2024, e R$ 1.600,00 aos não sindicalizados, pagos em duas parcelas iguais, com a primeira para junho e a segunda para o mês de setembro.

Apesar do SINDMETAL ter reduzido de R$ 700 para R$ 300 a proposta de abono salarial, a ALUMAR insiste em não querer bonificar seus empregados com qualquer que seja a quantia de abono.

O presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, disse esperar que a empresa avance mais na negociação, tendo em vista que até o momento não valorizou quem de fato produz a rua riqueza. “A empresa sinalizou que nesta segunda, dia 8, deve responder com uma nova contraproposta, e esperamos que seja mais alinhada à realidade econômica e o custo de vida suportado pelos trabalhadores”, pontuou Gerson Silva, presidente do sindicato.

 

Imprensa Sindmetal

SINDMETAL convoca trabalhadores da Top Service para mobilização no dia 15 de abril

Trabalhadores da empresa Top Service estão convocados a participar de um Ato de Mobilização/Advertência a ser realizado no próximo dia 15 de abril, segunda-feira, a partir das 7 horas e por tempo indeterminado, na portaria da empresa ALUMAR, na BR 135, Km 18 – Pedrinhas.

Durante o ato, os trabalhadores e trabalhadoras discutir o descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2024, por parte da empresa, e avaliar a adoção de movimento paredista por tempo indeterminado no canteiro da Alumar, onde a Top Service presta serviços de forma terceirizada.

O presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, avalia que a empresa tem descumprido de forma consciente e proposital o ACT 2024. “Apesar de todas as nossas intervenções por meio de diálogo exaustivo com a administração da empresa, não temos obtivemos êxito no cumprimento do acordo, nos obrigando a utilizar as ferramentas de mobilização previstas na Legislação Trabalhista”, avaliou.

O Edital de Convocação dos trabalhadores foi publicado no Jornal Pequeno, Edição desta quinta-feira, 4 de abril. Para visualizar CLIQUE AQUI!

 

Imprensa Sindmetal

ALUMAR quer repassar apenas a inflação para os trabalhadores

No dia 20 de março o SINDMETAL e ALUMAR realizaram a primeira rodada de negociação em torno do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2024. Logo de cara, a multinacional rejeitou a proposta do sindicato para reajustar os salários em 7,5%.

Em contrapartida, a empresa ofereceu míseros 3,86% que cobrem apenas a inflação do período. Além disso, a ALUMAR também rejeitou, de forma total, a proposta do SINDMETAL para a concessão de um abono salarial no valor de R$ 700,00.

Outro ponto negativo, é o valor que a empresa quer pagar no ticket alimentação, apenas 2 parcelas de R$ 830,00 para os 12 meses de validade do acordo coletivo. No total, seriam R$ 1.660,00, um aumento de apenas R$ 60,00 em relação ao ano de 2023! A proposta do sindicato é R$ 600,00 por mês aos trabalhadores sindicalizados, e R$ 400,00 aos não sindicalizados.

A entidade sindical avalia negativamente a postura da empresa nessa primeira reunião, e conclama os trabalhadores e trabalhadoras a ficarem alertas. “Esperamos que a empresa reveja esse posicionamento ultrapassado, e na próxima reunião seja propositiva com quem gera a sua riqueza, que são os trabalhadores”, pontuou Gerson Silva, presidente do sindicato.

A ALUMAR nega um reajuste digno aos seus empregados, mesmo diante de um cenário econômico positivo. No último mês de dezembro, a revista Isto é Dinheiro, de circulação nacional, destacou em matéria a retomada das operações do consórcio Alumar, que estavam paralisadas desde 2015, frisando que a indústria de alumínio conquistou importantes vitórias em 2023, “prevendo um crescimento gradual do consumo do metal para os próximos anos, impulsionado pela vantagem que o produto oferece em meio a tendências de transição energética”. E completa “O setor prevê investimentos na faixa de R$ 30 bilhões, até 2025. Os segmentos de energia elétrica e transporte devem ser os maiores impulsionadores do mercado brasileiro de alumínio para o futuro”.

Nem mesmo este cenário superotimista foi suficiente para a ALUMAR começar o ano com uma proposta decente! A próxima rodada de negociação acontece dia 02 de abril.

 

Imprensa Sindmetal

SINDMETAL celebra Dia da Mulher com programação especial

Susan Lucena dialoga com trabalhadoras durante evento no SINDMETAL

No último sábado, dia 9 de março, o SINDMETAL fez história com a realização do 1º Encontro de Mulheres Metalúrgicas em alusão às comemorações do Dia Internacional da Mulher – 8 de março. Foi o primeiro evento desse tipo realizado pelo sindicato desde a sua fundação, em 1959.

Com a participação de trabalhadoras metalúrgicas, dirigentes e lideranças sindicais de outras categorias, o encontro teve como palestrante a diretora da Casa da Mulher Brasileira em São Luís, Susan Lucena. Ela falou sobre os desafios da mulher na sociedade moderna, empoderamento feminino, combate às formas de violência doméstica, dentre outros pontos. A presidente da União Brasileira de Mulheres (UBM Maranhão), Loide Helena, também participou do encontro e contribuiu com o debate apresentado.

O presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, avaliou de forma positiva a realização do encontro. “Não tenho palavras para expressar a nossa vitória neste evento, que fortaleceu a luta por igualdade, respeito e dignidade para todas as mulheres”, pontuou. O dirigente sindical também agradeceu a todas as pessoas que contribuíram para a realização do encontro, em especial as colaboradoras do sindicato.

Em 2023 o SINDMETAL atuou de forma proativa para que as empresas do Ramo Metalúrgico valorizassem a mão de obra feminina, em especial a ALUMAR, que firmou compromisso em igualar as novas contratações de profissionais homens e mulheres.

A presidenta da Associação dos Moradores e Moradoras do Sá Viana, Neide Costa, participou do evento e elogiou o SINDMETAL pela realização do Encontro de Mulheres. “O sindicato se torna protagonista e mais um agente em defesa das mulheres. O SINDMETAL está de parabéns pois fortalece as parcerias de valorização e respeito às mulheres”, pontuou a líder comunitária.

Participaram do encontro, as lideranças sindicais: Ana Mendonça a “Aninha” do SINDEHOTÉIS; Hildinete Rocha, da CTB Maranhão; e Lúcia Barbosa, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Luís (SINFUSP). Também participaram do encontro, sindicalistas dirigentes do SINDMETAL; o advogado Antônio Gonçalves, assessor jurídico do sindicato; Júlio Guterres, CTB Maranhão; Joel Nascimento, ex-presidente do SINDMETAL; Luís Henrique, presidente do SINDEHOTÉIS; Reinaldo Diniz, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Panificação (SINDIPANIP); e Raimundo Raposo, ex-presidente do Sindicato dos Vigilantes do Maranhão (SINDVIGMA).

Veja imagens do evento:

Imprensa Sindmetal

SINDMETAL e USIMIG fecham acordo que beneficia cerca de 340 metalúrgicos

O SINDMETAL fechou Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2024 com a empresa USIMIG – Manutenção e Serviços, que chegou ao Maranhão para atuar na Área da VALE. O sindicato conquistou uma tabela com bons pisos salariais para cerca de 340 metalúrgicas e metalúrgicos contratados pela empresa.

O acordo foi firmado nesta quarta-feira, dia 6 de março, é válido para o período de 1º de março de 2024 ao dia 28 de fevereiro de 2025. A empresa fará o pagamento dos salários até o quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado, e fornecerá contracheque online para os trabalhadores, discriminando todas as vantagens e descontos.

Ficou acordado que a USIMIG fornecerá alimentação aos seus trabalhadores, e também pagará um auxílio café da manhã no valor de R$ 120,00. Aos empregados sindicalizados ao SINDMETAL, e que não tiverem faltas injustificadas ao longo do mês, a empresa também pagará um ticket alimentação no valor de R$ 380,00, totalizando R$ 500,00 para os metalúrgicos sindicalizados.

Todos os trabalhadores terão Assistência Médica fornecida pela USIMIG de forma gratuita durante a vigência do ACT 2024.

As horas extras em dias úteis não poderão ultrapassar o total de duas horas, e serão pagas na ordem de 55% da hora normal. Nos sábados serão remuneradas em 60%, e em domingos e feriados no percentual de 100%. Os eletricistas e encarregados receberão 30% de adicional de periculosidade; já os mecânicos lubrificadores terão direito a 20% de adicional de insalubridade.

O sindicato conquistou, também, o direito do trabalhador substituto receber a diferença salarial do trabalhador substituído, nos casos de afastamento legal, férias, licença médica, dentre outros, desde que não seja um afastamento eventual.

Gerson Silva, presidente do SINDMETAL, frisa que o sindicato conseguiu incorporar diversos benefícios no acordo com a USIMIG, que é uma empresa do Estado do Pará que chega para executar manutenções e serviços metalúrgicos na área da VALE. “O sindicato com muito diálogo e esforço conseguiu um bom acordo para os trabalhadores, com a incorporação de vários benefícios sociais que protegem os metalúrgicos, uma vitória da categoria”, avaliou o sindicalista.

O SINDMETAL também garantiu o pagamento de Participação nos Lucros e Resultado – PLR, aos trabalhadores. As cláusulas que vão definir os critérios serão fechadas em até 120 dias após o fechamento da ACT 2024.

VALORIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA LOCAL

Também no acordo firmado a USIMIG se comprometeu em priorizar a contratação da da mão de obra local, valorizando os metalúrgicos que residem em São Luís onde a empresa desenvolve suas atividades. A contratação se dará por meio do Sistema Nacional de Emprego – SINE Estadual ( www.trabalho.ma.gov.br ) ou no cadastro de desempregados mantido pelo SINDMETAL.

Confira, abaixo, a tabela salarial da USIMIG:

 

Imprensa SINDMETAL.

SINDMETAL convida trabalhadoras para 1º Encontro de Mulheres Metalúrgicas

No dia 9 de março o SINDMETAL vai realizar uma programação especial destinada às trabalhadoras metalúrgicas, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher – 8 de Março. O 1º Encontro de Mulheres Metalúrgicas será realizado no auditório do sindicato, localizado na Rua Senador João Pedro, n. 165, Fabril, em São Luís. O evento vai contar, ainda, com a participação de mulheres trabalhadoras lideranças sindicais em outras categorias.

A programação conta com a palestra “Março, Mês da Mulher!” com Susan Lucena, diretora da Casa da Mulher Brasileira de São Luís. Haverá, também, a participação da presidente da União Brasileira de Mulheres (UBM Maranhão), Loide Helena, que contribuirá com o debate apresentado.

Segundo Gerson Silva, presidente do SINDMETAL, o evento busca fortalecer o papel das mulheres na sociedade, em especial no ambiente de trabalho da metalurgia, “que ainda é muito masculino”. “Precisamos, também, fortalecer o papel das mulheres no segmento sindical, de luta em defesa da categoria e por uma sociedade de fato mais justa”, pontou o dirigente sindical.

Em 2023 o SINDMETAL atuou de forma proativa para que as empresas do Ramo Metalúrgico valorizassem a mão de obra feminina, em especial a ALUMAR, que firmou compromisso em igualar as novas contratações de profissionais homens e mulheres.

Em 2023 o SINDMETAL conseguiu sindicalizar um número considerável de trabalhadoras metalúrgicas, se comparado aos dados dos anos anteriores. “Estamos rompendo com esse passado por meio de ações afirmativas realizadas pelo sindicato, que objetivam propagar igualdade, respeito e valorização da mulher, trazendo as trabalhadoras metalúrgicas para a luta”, finalizou.

Confira a programação do evento na imagem abaixo:

Imprensa Sindmetal

 

SINDMETAL conquista 7% de reajuste para metalúrgicos da Super Frio

O SINDMETAL firmou mais um Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2024 que garante ganho real para os metalúrgicos. Dessa vez, os beneficiados foram os trabalhadores da Empresa Super Frio, que terão reajuste salarial de 7%, válido a partir do dia 1º de março.

Além disso, o sindicato também garantiu o pagamento de adicionais aos trabalhadores, na ordem de 30% para o Adicional Noturno; 30% Adicional de Periculosidade; e de 20 a 40% no Adicional de Insalubridade, este, de acordo com laudo técnico apresentado pela empresa.

As horas-extras serão pagas na ordem de 55% nos dias úteis, e 100% aos sábados, domingos e feriados. Os trabalhadores que fizerem substituição, receberão a diferença do salário desde o primeiro dia.

O presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, avalia de forma positiva o reajuste, que garantiu o poder de compra do salário dos trabalhadores, visto que “foi garantido um percentual acima da inflação”, pontuou.

 

Imprensa Sindmetal

ALUMAR eleva para 30% desconto de coparticipação em assistência saúde dos trabalhadores

A Alumar elevou de 10 para 30% o desconto da coparticipação dos trabalhadores na Assistência Médica, Odontológica e Farmácia, um crescimento de 200%. Ou seja, os trabalhadores que precisarem dos serviços de saúde da ALUMAR, vão ter que contribuir com uma fatia maior do salário nos meses que utilizarem qualquer serviço.

Com essa medida que passou a valer no dia 1º de fevereiro, e já teve o primeiro desconto no salário pago no último dia 29, a ALUMAR pratica um verdadeiro arrocho salarial para seus empregados, desconsiderando todo e qualquer princípio de Assistência à Saúde com quem constrói o seu patrimônio e lucro.

Comunicado da ALUMAR informa elevação de 10 para 30% em coparticipação em saúde

REDUZIR GASTOS E AUMENTAR LUCRO

O presidente do sindicato, Gerson Silva, frisa que essa postura da empresa é claramente de redução de gastos e visão exclusiva no lucro, que diga-se de passagem, não é garantia de sucesso de uma empresa. “Não faz muito tempo a empresa concedia, gratuitamente, diversos serviços de assistência saúde aos seus empregados, a exemplo do Centro de Orientação da Saúde da Alumar (CO), reformulado em 2018 com atendimento de excelência, mas que atualmente encontra-se extinto pela empresa, uma postura lamentável”, ressalta.

No Centro de Orientação da Saúde, os metalúrgicos da ALUMAR eram atendidos gratuitamente em consultas e exames. Não era necessário retirar um real do bolso para ter consultas com Clínico Geral; Endocrinologista; Pediatra; Nutrição; Urologista; e Ginecologista, por exemplo.

À época, comunicado repassado pela própria ALUMAR a respeito da reformulação do Centro de Saúde, em 2018, destacava a seguinte frase “Nossos Valores: Agir com Integridade, Trabalhar com Excelência e Cuidar das Pessoas”.

“Vamos reunir com a ALUMAR e cobrar uma revisão desse desconto, que triplicou em um período do ano que as pessoas ainda estão pagando material escolar, matrícula dos filhos, IPVA, licenciamento, aí se deparam com uma bomba dessas? É desumano com quem precisa cuidar da saúde”, pontuou.

Recentemente, a ALUMAR implantou o Novo Turno, 6×3, para todos os setores da fábrica, modelo que garante mais um dia de folga aos trabalhadores, reduzindo doenças ocupacionais, afastamentos e pedidos de demissão. Entretanto, agora, a empresa parece querer retirar o direito dos trabalhadores terem uma Assistência Saúde que faça o acolhimento no momento que eles mais precisam.

Imprensa Sindmetal

SINDMETAL garante abono para trabalhadores prejudicados com atraso do novo turno na ALUMAR

Em acordo firmado com a ALUMAR, o SINDMETAL conquistou o pagamento de abono (gratificação) aos metalúrgicos da empresa que só puderam desfrutar do Novo Turno 6×3 a partir do último dia 27 de fevereiro.

Os trabalhadores das áreas de Redução, Sala de Cubas e CVI, receberam no último dia 29, o pagamento desse abono relativo a quatro dias de folgas remuneradas.

O presidente do SINDMETAL, Gerson Silva, frisa que o pagamento foi uma forma encontrada para compensar os transtornos sofridos por esses trabalhadores. “Conseguimos transformar em pecúnia os dias que os trabalhadores das áreas afetadas não puderam ter suas folgas”, pontuou.

NOVO TURNO 6X3

Conquistado por meio de acordo firmado com a ALUMAR em julho/2023, o Novo Turno 6×3 representa mais convívio social e familiar para os trabalhadores, redução dos casos de doença ocupacional, nos afastamentos e pedidos de demissão. Uma reivindicação histórica dos metalúrgicos da ALUMAR, conquistada por meio de diálogo social entre sindicato e patrões.

“A conquista é fruto de muita luta, tendo em vista que não foi uma liberalidade da empresa, mas sim resultado de uma negociação baseada em dados, que demonstram o quanto o antigo turno era maléfico para trabalhadores, produção e também para a imagem da ALUMAR junto à sociedade maranhense”, pontuou o presidente do sindicato.

 

Imprensa Sindmetal

Audiência no Ministério Público apresenta dados sobre poluição do ar na capital

Dando continuidade ao debate sobre os níveis de poluição do ar de São Luís, especialmente do Distrito Industrial, foi realizada na tarde desta segunda-feira, 26, no Centro Cultural e Administrativo do Ministério Público do Maranhão, a segunda audiência pública com as entidades, órgãos e instituições envolvidas com o assunto.

Na ocasião, foram apresentados e avaliados dados por empresas contratadas pela Secretaria de Estado da Indústria e Comércio (Seinc) e pelo Centro das Indústrias do Estado do Maranhão (Ciema) sobre as informações geradas pela Rede do Monitoramento da Qualidade do Ar (RAMQAr), no Distrito Industrial de São Luís, realizada pela Seinc. Também foram apresentados estudos sobre a incidência de doenças respiratórias em São Luís.

A audiência, coordenada pelos promotores de justiça Luís Fernando Cabral Barreto Junior e Cláudio Rebêlo Corrêa Alencar, respectivamente, titulares da 1ª e 2ª Promotorias de Justiça Especializada na Proteção ao Meio Ambiente, Urbanismo e Patrimônio Público de São Luís, reuniu representantes da sociedade civil, Executivo Estadual, moradores da Zona Rural e da área Itaqui-Bacanga, além de pesquisadores do impacto ambiental na vida da população.

Em São Luís, existem seis estações compactas da Seinc, instaladas nos bairros Anjo da Guarda, Santa Bárbara, Vila Maranhão, Vila Sarney, Pedrinhas e Coqueiro, que fazem o acompanhamento da qualidade do ar de São Luís.

O controle é feito de acordo com a Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama 491, que dispõe sobre os padrões de qualidade do ar visando à identificação das concentrações de poluentes atmosféricos que podem afetar a saúde humana e o meio ambiente.

Na abertura, Fernando Barreto Júnior explicou que, na licença ambiental concedida para o funcionamento do Distrito Industrial, é prevista a utilização de, pelo menos, 12 estações compactas, além de uma estação de referência, móvel, de alta precisão, para o monitoramento do ar de São Luís. Portanto, a rede de monitoramento ainda está incompleta.

Também se manifestaram o promotor de justiça Cláudio Rebêlo Alencar e o advogado Guilherme Zagallo, do Movimento de Defesa da Ilha, autor da representação que gerou a abertura do inquérito civil das Promotorias de Justiça Especializadas na Proteção ao Meio Ambiente, Urbanismo e Patrimônio Público de São Luís.

Do Ministério Público do Maranhão, também acompanhou a exposição a titular da 2ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde de São Luís, Glória Mafra.

DOENÇAS

A professora Márita Ribeiro, do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais da Universidade Federal do Maranhão, apresentou dados sobre as doenças que mais causam mortes nos moradores de São Luís, de acordo com as informações do Datasus e do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM).

O levantamento foi feito do ano de 1996 ao de 2018 e mostra um crescimento das doenças respiratórias, que saltaram, no referido período, do 7º para o 3º lugar como principal causa de óbitos em São Luís. Segundo o Datasus, atualmente os bairros com o maior número de mortes por câncer de pulmão na capital são Vila Embratel e Vila Palmeira.

IMPRECISÃO

Como expositor contratado da Seinc, Christiano Finamore, diretor da Nano Automation CTO, apresentou dados de 2022 e 2023, da Rede do Monitoramento da Qualidade do Ar (RAMQAr), no Distrito Industrial de São Luís.

Os índices apresentados apontam níveis extremamente críticos de alguns poluentes em parte dos bairros monitorados, confirmando a representação do Movimento de Defesa da Ilha.

Porém, na apresentação, ele sugeriu que o levantamento seria incompleto e sem precisão, porque além da previsão de mais seis estações compactas na licença concedida à Seinc, há também a indicação de instalação de uma estação de referência, móvel, de alta precisão. Somente com esses equipamentos, segundo o consultor, poderia ser feito um levantamento mais preciso e abrangente.

Christiano Finamore igualmente questionou o posicionamento de algumas estações compactas, que seria inadequado e, por isso, geraria índices alarmantes.

Parecer semelhante apresentou o engenheiro João Silos, da Tetra Tech, empresa com sede nos Estados Unidos, contratada pelo Ciema. Em suas considerações finais, pelos mesmos motivos apresentados pelo expositor que o antecedeu, ele avaliou que “os dados gerados pela atual rede de monitoramento da Seinc não devem ser utilizados como referência para o índice de qualidade do ar”.

Entretanto, todos confirmaram que os dados das estações indicam índices graves de poluição do ar.

CONTRADIÇÕES

Para o advogado Guilherme Zagallo (foto acima), as defesas apresentadas pela Seinc e pela Ciema são contraditórias, porque colocam em dúvida um sistema público, operado pela Seinc, com dados avalizados por outras Secretarias de Estado, e podem comprometer inclusive a concessão de licenças e o funcionamento das indústrias em São Luís. “Pelas defesas apresentadas, não está sendo cumprida a legislação. Confesso que fiquei em dúvida se essas estações atendem ou não a condicionante da licença para o funcionamento do Distrito Industrial”.

DELIBERAÇÕES

Diante das exposições, como encaminhamento, o promotor de justiça Fernando Barreto concedeu dez dias úteis para a Secretaria de Meio Ambiente se manifestar sobre a validação dos dados apresentados. Também indicou a compra da estação de referência, necessária para gerar dados mais precisos. O representante do Ministério Público igualmente propôs a revisão do estudo referente à qualidade do ar.

“Há uma necessidade de se encontrar uma solução consensual para o enfrentamento desse problema. Precisamos saber se é possível conceder licenças ainda ou que tipo de atividade é possível licenciar no Distrito Industrial, com segurança jurídica. A qualidade do ar afeta a todos os moradores da cidade, de todas as classes sociais. Estão todos correndo os mesmos riscos”, enfatizou o promotor de justiça.

Fernando Barreto também afirmou que é necessária a instalação de todos os equipamentos da rede e fazer uma revisão segura do licenciamento do Distrito Industrial de São Luís (Disal).

Uma nova audiência deverá ser promovida para análise de um Termo de Ajustamento de Conduta Estruturante.

 

Fonte: Portal do MPMA